terça-feira, 17 de junho de 2008

Zé Calixto


O sanfoneiro e compositor Zé Calixto, nascido José Calixto da Silva no dia 11 de agosto de 1935, em Campina Grande, Paraíba, saboreou a infância junto aos seus nove irmãos nos bailes animados pelo seu pai João de Deus conhecido como seu Dideus na vizinhança. A paixão pelo instrumento veio por volta dos oito anos, quando o filho do sanfoneiro com a dona de casa Maria Tavares aprendeu a tocar sozinho o fole de oito baixos do pai.

Após levantar a poeira nos arrasta pés do nordeste brasileiro tocando sambas, valsas, xotes e choros, Zé estreou nas rádios de Recife em 1959, como integrante do trio mata Sete e seu conjunto, formado pelo compositor Antônio Barros. Em Abril do mesmo ano,trocou alianças com Dona Ritinha, sua companheira de vida inteira, Mãe de seus quatro filhos.

Em seguida, Zé Calixto viajou até o Rio de Janeiro a convite de Antonio Barros, mas o grupo não vingou e o músico, sem grandes oportunidades para se apresentar , virou o afinador oficial de vários sanfoneiros ate ser convidado a apresentar na cidade a gravar pela Phillips, por onde lançou seus primeiros álbuns. Em 1960, Zé foi se apresentar na cidade natal e ficou surpreso ao ouvir suas gravações sendo executadas em todo nordeste.

De volta ao Rio, com Dona Ritinha “debaixo da sua asa”, nas palavras de Zé, foi convidado a gravar mais quatro inéditas a fim de completar 12 faixas do primeiro long Play, Zé Calixto e sua sanfona de oito baixos. Desde então, lançou 26 álbuns individuais de diversas gravadoras ~ entre eles, o tocador do mundo, produzido por Dominguinhos em 1082 ~ e participou de coletâneas, como O fino da roça, idealizadas por Jackson do Pandeiro nos anos 70.

O exímio sanfoneiro que rodou esse país ao lado de outros artistas (como Luiz Gonzaga, padrinho de sua filha Neide), há tempos influencia as gerações jovens forrozeiros. Para eles, Zé Calixto é o grande mestre do oito baixos. Alias, Oito baixos é o que não falta na casinha no morro da pedreira, em Acari, onde Zé mora há mais de quarenta anos. Referencia no instrumento, ele vive cercado por três ou quatro foles exóticos , destacando-se o mais antigo, fabricado nos anos 50, de um verde inconfundível, com seu nome tatuado no fole.

11 comentários:

janeide disse...

é um orgulho pra mim ser filha desse mestre, desse ser iluminado que é meu pai,sou suspeita em falar mais não conheço ninguem que consiga unir talento,dedicação,genialidade com tanta simplicidade e modestia como ele...
esse é meu pai Zé calixto humilde,simples porem mestre no que faz com orgulho de suas origens,e eu so tenho uma unica maneira de retribuir tudo de lindo que ele me ensinou dizendo "TE AMO MUITO PAI"
sucesso e seja muito feliz!!!

carina disse...

nossa q lindo seu comentario!!!!

delson disse...

Eu me sinto um privilegiado de poder dizer que sou amigo de toda familia Calixto. São pessoas que fizeram e ainda contiunuam a fazer parte da minha vida. Que Deus os cerque de muita saude e felicidade e que seu Zé continue brilhando em sua carreira como sempre fez... sinto saudades.
um GRANDE BEIJO NO CORAÇAO DE TODOS E FIQUEM NA PAZ!!!

reginaldo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
reginaldo disse...

TE AMO CARA, TÚ ES QUEM EU CARREGO NO MEU PEITO COM ORGULHO DE QUEM CARREGA UM PAI,ES O MODELO DE VIDA, DE HOMEM, DE PAI E ONESTIDADE QUE EU COPIEI PRA MIM, SOU UM FILHO DA TUA CASA. BEIJOS... (Reginaldo Régis)

GUIGO disse...

VALEU ZÉ CALIXTO PELO APOIO AO VERDADEIRO FORRO, POIS HOJE EM DIA SÓ TEM DOIDO TOCANDO FORRÓ, MAS VOCÊ É UM VERDADEIRO POETA DA SANFONA!
PUXA O FOLE SANFONEIRO!!!

Luiz disse...

Quando eu passei a fazer parte dessa família, não poderia imaginar que o gosto pelo "forró" viria junto. A convivência com essa família em especial com esse "MESTRE" me fez ver que o forró já corre em minha veias(que bom), que gostoso ouvir um forró puro, bem tocado das mãos de um mestre como seu Zé. Parabens meu sogro pelo exemplo de pessoa que o senhor é(simples,honesto e com um talento indiscutível). Eu,sua filha e seus netos te amamos e somos agradecidos pelo senhor existir em nossa vidas. Muita paz, muita saúde e é com muito orgulho que eu digo que sou o genro de ""ZÉ CALIXTO"" o poeta da sanfona.

Luiz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ewerton disse...

Olá!
Eu me chamo Ewerton Emmanuel da Silva Calixto, sou Engenheiro Químico tenho 24 anos e nasci em Campina Grande. Moro no Rio de Janeiro a 1 ano. Minha família toda é de Campina. Gostaria de saber se existe algum perentesco entre nós. O meu avô (Francisco Calixto), pai do meu pai era de taperoá. Sempre quis desvendar a árvore genealógica da minha família.

Grande abraço!

Oxente nordeste disse...

para mim,ser um grande fã desse renomado sanfoneiro,nordestino é mais que uma honra! aos meus 18 anos aprendi tocar sanfona,e com certeza minhas primeiras musicas,foram as do mestre zé calixto.olha instrumento muito dificil de tocar,pra tirar ums chorinhos,chegava suar a camisa!rsrsrs.e hoje graças a deus venho aconpanhando a sua tragetória,e só tenho a dizer,PARABENS POETA DA SANFONA!!! um forte abraço desse conterranio que sempre te admira! naldinho do acordeon!!

osvaldo kbça disse...

Zé vc é e sempre foi uma figura EXTRA,se tu não conseguiu lembrar pergunte ao Carlinhos que ele te aviva a idéia,quem é o cabeça,viu? abração seo mç!